Problemas relacionados com a obesidade



OBESIDADE é caracteri­zada pelo acúmulo de gordura corporal. Por convenção, a obesidade, predominantemen­te na população feminina, ex­cedente à 20 % do IMC (índice de massa corporia), cuja tabe­la da OMS (organização mun­dial de saúde) a seguir: peso dividido pela altura ao quadra­do, acima de 25, fique alerta. Influenciam no predomínio da obesidade, o sedentarismo, a etnia, a cultura familiar, ingerir alimentação inadequada e fato­res hormonaise psicológicos.

Os fatores humorais não limitam o ato de comer, pois o enchimento gástrico, sem con­siderar o valor nutritivo do ali­mento, é o principal determinan­te da saciação, ela ocorre logo no inicio da refeição em que apenas uma pequena propor­ção do conteúdo total ingerido pode ser absorvida. Não há, es­sencialmente, informações so­bre a transmissão genética da obesidade que aflige a grande maioria das pessoas com ex­cesso de peso.

Há alguns determinantes quanto ao aumento do tecido adiposo na obesidade, ela pode resultar de um aumento no ta­manho da célula adiposa (obe­sidade hipertrofica), como do aumento do número das célu­las de gordura (obesidade hi­perplastica), ou aumento do numero e do tamanho (obesi­dade hipertrófica-hiperplastica).

A atividade física restrita pode, na verdade, aumentar a ingestão alimentar, logo: acúmu­lo de gordura. A manifestação mais séria que ameaça a vida, é causada pela pressão do revestimento circundante do teci­do gorduroso sobre o tórax, combinada com a pressão do acúmulo de gordura intra-ab­dominal sobre o diafragma.

A redução da capacidade respiratória pode provocar disp­néia mesmo no minimo esfor­ço. Em pessoas muito acima do peso, esta condição pode progredir para a chamada Sin­drome de Pickwick, caractre­rizada por hipoventilação em consequente hipercapnia e hi­poxia e, finalmente, sonolência, cansaço e desanimo. Também o obeso come em excesso quando emocionalmente domi­nado pelos "monstros internos" negativos, tais como a Dona Raiva, O Sr Medo e a Dona Culpa.

É comum as pessoas obe­sas emagrecerem ao se apai­xonarem e , também engordarem quando não estão aman­do, comendo e só parando quando estão "cheias" ou não "aguentam" mais, não identifi­cando fome e saciação, e são frequentemente incapazes de distinguir entre fome e outros ti­pos de disforia, ligados a "con­fusão conceptual", a déficits se­veras na identidade e a senti­mentos de ineficácia pessoal, com forte tendência a resposta que prejudica suas percep­ções de motilidade gástrica e alterando suas interpretações de fome.

Autora: Maria Lúcia Fernandes de Moraes - CRF 08/04540

Tags: obeso, obesa, obesidade, IMC, calcular IMC,  Sin­drome de Pickwick, obesidade hi­perplastica,  obe­sidade hipertrofica, sedentarismo, cultura familiar, etnia, OMS.

Mais obesidade

Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais!


Encontrou o que procurava? O blog lhe foi útil? Então, curta o Yesachei no Facebook!

4 comentários :

Samanta Sammy disse... [Responder comentário]

Olá, tudo bem?

Ótima matéria, este é um assunto muito atual e importante. Hoje em dia na vida moderna a correria do cotidiano, o stress diário e a complexidade de nossos sentimentos influenciam diretamente em nossa saúde. E a obesidade é cada vez mais recorrente até mesmo em crianças... outro dia vi um documentário onde a mãe, obesa, alimentava seu filho que se não me engano tinha 2 ou 3 anos, com hamburgueres e batatas fritas... Algumas pessoas parecem não se importar em adquirir esta consciência de prezar pela saúde e qualidade de vida.
Já fui bem gordinha, emagreci e agora engordei de novo, sei que é tudo fruto de desequilíbrios emocionais, mas estou procurando reverter o quadro para não ter problemas mais sérios ou chegar a um ponto onde fique difícil voltar atrás... :)

Grande abraço e bom fim de semana !

Elizeu Timóteo Pereira disse... [Responder comentário]

Olá, amiga! Tudo bem sim, e você?

Obrigado Sam! Que ótimo que gostou do assunto! Pois é, a obesidade é hoje, o mal do século. É um problema complexo e delicado. Há pessoas que são mais suscetíveis a ter excesso de peso, pois muitas vezes é um problema congênito. Outros fatores, estão, como você citou, relacionados com a má alimentação, estresse e desequilibrios emocionais. É verdade Sam, é preciso se cuidar porque para adquirirmos peso, é relativamente fácil, mas para perder é uma batalha!

Obrigado por comentar! Você sabe que é sempre bem-vinda aqui!
Desculpa a demora em responder!

Um abraço e uma execelente semana!

Cristiane disse... [Responder comentário]

No início do ano houve muitas mudanças, tive princípio de depressão, engordei 10 quilos da noite para o dia, sem que houvesse alteração na alimentação. Acho que isso aconteceu por questões emocionais,não?
Agora para emagrecer está difícil...

Elizeu Timóteo Pereira disse... [Responder comentário]

Olá Cristiane!

Que ruim que aconteceu isso contigo! Olha, se não houve mudança na sua alimentação, e se é a primeira vez que ocorreu isso com você, acredito que possa sim, ter sido devido a problemas emocionais, ou também a algum desequilibrio em seu metabolismo. De qualquer forma, é importante fazer uma investigação para descobrir mais detalhes.

Obrigado por participar do blog, e volte sempre!
Abraço.

Postar um comentário

Atenção!

Faça seu comentário, mas sempre com responsabilidade, caso contrário, ele não será publicado!

Não serão aceitos comentários que denigram pessoas, raças, religião, marcas e empresas.

Sua opinião é importantíssima para o crescimento do blog. Portanto, comente, o blog agradece!

2leep.com