O que é uma pessoa alienada?



A alienação é, antes de tudo, uma forma de relação entre os homens e, ao mesmo tempo, entre os homens e determinados objetos ou coisas que lhes são exteriores. Essa forma de relação não é natural. Ela surge em um determinado momento, no processo do desenvolvi­mento histórico das sociedades humanas. Embora esse desenvolvimen­to seja criação e exteriorização dele próprio, o homem é profunda­mente afetado pelo processo: aliena-se.
O termo alienação, originariamente -e ainda hoje -, era um termo da Psiquiatria que designava uma forma de perturbação mental, como a esquizofrenia - uma perda de consciência ou de identidade pessoal... Do ponto de vista econômico-social, é a perda da consciência de si, em virtude de uma situação concreta. O homem perde sua cons­ciência pessoal, sua identidade e personalidade, o que vale dizer, sua vontade é esmagada pela consciência de outro, ou pela consciência social - a consciência do grupo. É uma forma de para-consciência, ou seja, uma consciência particular incompleta, pela qual o homem perde parcial ou totalmente sua capacidade de decisão. É ainda sua integração absoluta no grupo: ele massifica, passa a pertencer à massa e não a si mesmo.

Diz-se ainda que o homem está alienado quando deixa de ser seu próprio objeto para se tornar objeto de outro. Deixa de ser algo para si mesmo. Sua vontade é assim a vontade do outro: ,ele é coisi­ficado. Deixa de ser homem, criatura consciente e capaz de tomar decisões, para se tornar coisa, objeto.

Com o advento da máquina, o trabalho tornou-se duplamente alienante: à máquina e ao dono da máquina. No período em que vigora­va ainda o regime de trocas, o homem, para suprir suas necessidades elementares, devia produzir não apenas aquilo de que necessitava, mas também as necessidades do outro, para qual ele era por sua vez o outro. Era ao mesmo tempo sujeito e objeto. Poderíamos dizer que se tratava de uma alienação parcial.

A introdução da máquina no sistema de produção subverteu to­talmente esta situação. A máquina tem esta particularidade: substitui com eficiência o esforço físico humano, mas não dispensa o homem: é sempre necessário para movimentá-la, fazê-la andar corretamente e detê-la no momento preciso.

O homem se torna parte dela, como um parafuso ou uma en­grenagem. Não,é o homem que produz, é a máquina. O homem limi­ta-se a fazê-la funcionar. O aperfeiçoamento das máquinas, à medida que reduz o esforço físico do homem, mais reduz sua participação e, em conseqüência, mais reduz sua intervenção consciente no trabalho. A máquina moderna dispensa a inteligência e a consciência humana, e o anula como homem. Este se torna uma peça de engrenagem cada vez mais insignificante.

Nesse sistema mecanizado de produção, o homem não mais pro­duz o que quer. Limita-se a fazer a máquina funcionar. Ignora o destino do seu produto, que não lhe pertence e, quase sempre, nem sabe mesmo para que serve. Recebe apenas um salário em troca da sua força de trabalho, o qual lhe permite recuperar as energias gastas, recompor seu organismo, para que amanhã possa novamente vendê-las ao dono da máquina. Ele se coisifica, anula-se nesse processo: é uma máquina, ou um apêndice da máquina, uma estranha máquina cujo óleo combustível é constituído de proteínas. Não é mais um homem com ca­pacidade de pensar, agir, tomar decisões. É apenas uma peça de en­grenagem que, quando gasta pelo uso, pode ser substituída.

Para o dono da máquina, ele não passa disso mesmo: uma peça da máquina que deve ser lubrificada diariamente. Não, é claro, com os mesmos cuidados, pois uma máquina custa dinheiro enquanto o homem nada custa: se adoece ou morre, é facilmente substituído pelo exército industrial de reserva, a percentagem fIxa de desempregados em cada nação capitalista que impede a luta dos salários.

Assim, o homem, assalariado pelas circunstâncias, não mais se pertence. Como parte da máquina, pertence ao patrão. Sua átividade tornou-se inconsciente e irracional e tanto mais quanto mais se aper­feiçoa a máquina: tornou-se num objeto que nem sequer necessita pensar.

E isso vale não apenas para a fábrica mas para toda atividade humana nesse processo de mecanização crescente que é o sistema ca­pitalista de produção: o datilógrafo diante de sua máquina de escrever, contador diante de sua máquina de calcular. Num caso, como noutro, o produto não é determinado pelo homem que trabalha mas pelo dono da máquina.

O 'amor ao trabalho' transforma-se numa expressão hipócrita e cínica, pois nada significa e não tem outro objetivo senão condicionar o homem, desumanizando-o, tirando-lhe a capacidade de optar em sua vida. Como pode amar o trabalho um homem que passa 8 ou 10 horas por dia apertando o mesmo pedal o mesmo botão, ou escre­vendo 'prezado Sr.' mil vezes por dia? Nessas condições o trabalho torna-se realmente maldição, e essa maldição, esse trabalho maldito, é obra do capital, da propriedade privada.

Notícias populares:

Revista inglesa decreta fim do futebol brasileiro
Claúdia Colucci - Cacau ex BBB, declara que ficou com Luan Santana
Garota de programa foge ao descobrir que cliente era seu próprio marido
Americano no corredor da morte quer doar seus órgãos
Uma jovem britânica com câncer terminal, faz lista de desejos
Irmã de Michael Jackson, diz que ele tinha medo de morrer

Postagens relacionadas:

Definição de consciência coletiva
Esboço da evolução do ser humano
A ideologia como visão de mundo
O que é realmente motivação?
Como pensar direito?
Mulher sorridente atrai mais os homens
Como acostumar a criança a dormir no próprio quarto
Quem teme o fracasso, fracassará com frequência
Qual é o objetivo da vida?
Como tornar feliz a nossa vida
Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais!


Encontrou o que procurava? O blog lhe foi útil? Então, curta o Yesachei no Facebook!

2 comentários :

Surprise Link disse... [Responder comentário]

Parabéns pelo post

Conheça o novo agregador de links www.surpriselink.com/Inicial nele você pode enviar links com imagem e sem imagem, enviar links com liberação imediata, widgets customizados para seu site/blog e o novo sistema de mensagens e amigos para você convidar outras pessoas a visitarem seu blog.

Lembre-se quanto mais links você tiver na net, mais facil os buscadores acharão seu site/blog.
Liberação de link imediata é bem melhor que ficar esperando não é? Então faça uma visita agora mesmo...

Elizeu disse... [Responder comentário]

Valeu obrigado pelo cometário. Pode deixar conhecerei o site indicado!

Abraço, e volte sempre!

Postar um comentário

Atenção!

Faça seu comentário, mas sempre com responsabilidade, caso contrário, ele não será publicado!

Não serão aceitos comentários que denigram pessoas, raças, religião, marcas e empresas.

Sua opinião é importantíssima para o crescimento do blog. Portanto, comente, o blog agradece!

2leep.com