Como se formam os tornados?



Os tornados, conseqüência de sérias tempestades elé­tricas, desenvolvem-se a partir de dois componentes bá­sicos. O primeiro se manifesta quando uma frente fria corre em direção a uma massa de ar quente e úmido, provocando poderosas correntes ascendentes, que pro­duzem imensas nuvens cúmulos-nimbos.

À medida que as nuvens em desenvolvimento absorvem mais ar quen­te, formam-se correntes descendentes, deflagrando tem­pestades elétricas - temporais com raios e trovões. Mas nem toda tempestade elétrica gera um tornado. O segundo componente, a rotação, é indispensável. Se a nuvem cúmulo-nimbo for cortada por fortes ventos cruzados, estes poderão imprimir às correntes descen­dentes um movimento circulatório, gerando uma mas­sa de ar rodopiante. Esse vórtice atrai mais ar quente para a nuvem, fazendo o ar girar ainda mais rápido. A espiral se adensa, ganhando velocidade de forma muito semelhante àquela pela qual um patinador do gelo gira mais depressa quando recolhe os braços. Uma nuvem afunilada, com ventos de até 500 quilômetros por hora, destaca-se da nuvem principal, pronta para destruir ca­sas, erguer automóveis, ou arremessar uma geladeira de 35 quilos a 5 quilômetros. Os tornados ocorrem com maior freqüência nas Grandes Planícies dos Estados Unidos.





Ao encontrar o ar quente, o ar frio se desloca para baixo. O ar aquecido sobe e carrega umidade para a atmosfera superior, mais fria, formando cúmulos.





Os cúmulos crescem e a corrente ascendente ganha força, absorvendo mais ar quente; os cúmulos se convertem em cúmulos-nimbos geradores de tempestades. O topo desses colossos atinge a fria estratosfera, e faz o ar ascendente resfriar-se. Tal resfriamento gera fortes correntes descendentes que trazem chuvas e criam uma longa série de tempestades elétricas conhecidas como linha de tormenta.




Um forte vento cruzado, conhecido como cortante, atravessa o cúmulo-nimbo. O cortante leva as correntes ascendentes a girar em espiral. Forma-se um vórtice de rotação lenta no interior da nuvem, sugando ainda mais ar quente para a tempestade que se avoluma. As correntes ascendentes ganham força, bem como as descendentes. Mais compacta, a espiral gira com mais rapidez, produzindo uma corrente ascendente em redemoinho, capaz de atingir velocidades superiores a 100 quilômetros por hora.




Assim que se forma a corrente ascendente em redemoinho, uma nuvem afunilada avança para baixo, a girar. À medida que o tomado se intensifica, a nuvem afuni­lada fica cada vez maior. Por fim, o funil toca o chão com força explosiva. Dentro dessa violenta tempestade, formam-se correntes descendentes fracas na área em que a pressão do ar é mais baixa; esse é o núcleo da tempestade.

A tormenta

Ao longo de uma fren­te fria, os cúmulos­-nimbos produzem uma série de tempo­rais - a chamada li­nha de tormenta (direita) -, que em geral tem 20 a 40 quilô­metros de largura e se desloca a 50 quilôme­tros por hora, ao lon­go de até 150 quilômetros. Os tor­nados com freqüência se formam no extremo sul de uma linha de tormenta.







Você poderá gostar também:






Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais!


Encontrou o que procurava? O blog lhe foi útil? Então, curta o Yesachei no Facebook!

4 comentários :

Anônimo disse... [Responder comentário]

adorei amei amei amei

Elizeu Timóteo Pereira disse... [Responder comentário]

Olá!

Fico feliz que tenha gostado!

Anônimo disse... [Responder comentário]

Cara muito legal parabéns...

Elizeu Timóteo Pereira disse... [Responder comentário]

Olá!

Fico feliz que tenha gostado!

Abraço e volte sempre!

Postar um comentário

Atenção!

Faça seu comentário, mas sempre com responsabilidade, caso contrário, ele não será publicado!

Não serão aceitos comentários que denigram pessoas, raças, religião, marcas e empresas.

Sua opinião é importantíssima para o crescimento do blog. Portanto, comente, o blog agradece!

2leep.com