Sistema educacional na Finlândia



A escola:

a) Quem entra numa escola na Finlândia se espanta com a simplicidade das instalações;

b) Na verdade, na escola Meilahden Yläaste, em Helsinque, por exemplo, é igual a centenas de outras do país, as salas de aula são convencionais, com quadro-negro e, às vezes, um par de computadores;

c) Apesar do despojamento, as escolas finlandesas lideram o ranking do Pisa, a mais abrangente avaliação internacional de educação, feita pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE);

d) O segredo da boa educação finlandesa realmente não está na parafernália tecnológica, mas numa aposta nas duas bases de qualquer sistema educacional. A primeira é o currículo amplo, que inclui o ensino de música, arte e pelo menos duas línguas estrangeiras. A segunda é a formação de professores;

e) O "milagre" finlandês atende pelo nome de Educação Especial, que se divide em duas modalidades de ensino. A primeira, que atende cerca de 8% dos estudantes, é organizada para auxiliar aqueles com deficiências físicas, mentais ou emocionais mais graves. A segunda, freqüentada por um em cada três alunos, é um reforço no contraturno para quem tem dificuldades leves de adaptação ou de aprendizado, especialmente em línguas e Matemática;

f) Qualidade para todos e para cada um." Se existe um país que segue esse preceito à risca é a Finlândia;

g) O currículo escolar é flexível, decidido em conjunto entre professores, administradores, pais e representantes dos alunos;

h) A cada três anos, as metas da escola são negociadas com o Conselho Nacional de Educação, órgão responsável por aplicar as políticas do ministério;

i) Hoje, 99% das escolas são públicas;

j) O governo finlandês faz anualmente um teste com todas as escolas do país e o resultado é entregue ao diretor da instituição, comparando o desempenho de seus alunos com a média nacional, etc.

O professor:

a) Não por acaso, a receita dos sistemas de sucesso não abre mão de um ingrediente básico: estímulo contínuo à formação docente completa e de qualidade;

b) Professores das modalidades de Educação Especial são muitos: há um deles para cada sete educadores regulares. Esses profissionais passam por uma formação diferenciada: freqüentam um curso universitário específico, que duram cinco anos em período integral;

c) A profissão é disputadíssima (só 10% dos candidatos são aprovados) e usufrui grande prestígio social (é a carreira mais desejada pelos estudantes do ensino médio);

d) Os professores são preparados para a tarefa de ensinar para todos, respeitando a diversidade e o ritmo de cada estudante;

e) Os professores são mantidos sempre atualizados;

f) O professor é o principal responsável pelo desempenho de seus alunos: é ele quem
avalia os estudantes, identifica os problemas, busca soluções e analisa os resultados;

g) Os professores e os diretores, que conhecem o dia-a-dia da escola, são responsáveis pela educação;

h) Cabe aos diretores e aos professores decidir como resolver seus fracassos;

i) O título de mestrado é exigido até para os educadores do ensino básico, etc.


Aula no ensino fundamental: professores com autonomia



O aluno:

a) É respeitado a diversidade e o ritmo de cada estudante;

b) Cerca de 20% dos estudantes recebem algum tipo de reforço escolar, índice acima da média internacional, de 6%;

c) O aluno conta com material escolar, refeições e transporte gratuitos;

d) Os alunos contam com professores especializados em educação especial para que sejam atendidas as suas necessidades, etc.









  



Eeva-Maria em aula de música






O sucesso da educação finlandesa é, em parte, fruto das características únicas do país. A população, de 5,2 milhões de habitantes, é relativamente pequena e homogênea. "Com uma população 35 vezes maior e disparidades regionais e sociais mais acentuadas, o Brasil não conseguiria ter o mesmo padrão de igualdade entre as escolas, como existe na Finlândia", diz João Batista de Oliveira, ex-secretário executivo do Ministério da Educação.






























Você poderá gostar também:

Países com melhores sistemas de ensino podem inspirar soluções
Como acompanhar a aprendizagem do aluno especial
O papel do professor na educação especial
Como avaliar a deficiência do aluno
Teoria do conhecimento: Piaget versus Vygotsky
Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais!


Encontrou o que procurava? O blog lhe foi útil? Então, curta o Yesachei no Facebook!

1 comentários :

Anônimo disse... [Responder comentário]

Belíssimo exemplo,antigamente se dizia que o computador dominaria as salas de aula...

Postar um comentário

Atenção!

Faça seu comentário, mas sempre com responsabilidade, caso contrário, ele não será publicado!

Não serão aceitos comentários que denigram pessoas, raças, religião, marcas e empresas.

Sua opinião é importantíssima para o crescimento do blog. Portanto, comente, o blog agradece!

2leep.com