Como orientar uma criança problemática



O significado da expressão "criança problemática" pode variar em grau e intensidade da circunstância, mas ela se refere ge­ralmente a crianças que desrespeitam certas regras da sociedade, praticando agressões e furtos, cabulando as aulas, etc. Na escola, tais crianças tumultuam a classe, transgridem os regulamentos, maltratam os colegas, enfim, causam muitos problemas aos professores. Crianças desse tipo são consideradas más e problemáticas; por conseguinte são malquistas e rejeitadas pelos cole­gas e professores, o que é motivo de grande tristeza para os pais.

De acordo com a Educação da Vida, originalmente não existe criança problemática, atrasada ou retardada mentalmente. Todo ser humano é filho de Deus e dotado de talento. Crianças problemáticas são aspectos fenomêni­cos provisórios de crianças talentosas.

Primeiramente, reflita sobre as seguintes questões:

1 - Quando uma criança come­ça a apresentar algum problema sério - como, por exemplo, rebeldia, clep­tomania, aversão ao estudo -, o que você pensa, como tenta solucioná-lo? Como devemos interpretar esse pro­blema do ponto de vista da Educação da Vida?

2 - A Educação da Vida ensina que, antes de mais nada, devemos dis­tinguir a Imagem Verdadeira do aspec­to fenomênico. Que é, afinal, Imagem Verdadeira?

3 - Mesmo que uma criança este­ja manifestando aspecto problemático, a Educação da Vida ensina que não existe criança problemática, que esse aspecto negativo é apenas sombra da mente. O que significa a expressão "sombra", neste caso?

4 - A Educação da Vida ensina que, quando os pais mudam, a crian­ça também muda. Em outras palavras, ela diz que todo problema da criança é na verdade problema dos pais. Ex­plique melhor esta afirmação.

5 - Já que o filho é reflexo da mente dos pais, pode-se conjeturar que você é reflexo da mente dos seus pais. Então, para você mudar, é preciso que seus pais mudem? Qual é a sua opinião a esse respeito?

6 - Na verdade criança proble­mática é um aspecto provisório de, uma criança talentosa. Ou, falando mais diretamente, criança problemá­tica é talentosa. O que você pensa a esse respeito?

7 - Que tipo de lição o filho pro­blemático proporciona aos pais? Por que surge esse tipo de criança?

NA VERDADE, CRIANÇA PROBLEMÁTICA É UMA CRIANÇA TALENTOSA

Nesta vida, não existe experiência inútil

Criança problemática é um as­pecto provisório de uma criança talen­tosa. Como eu próprio fui uma criança problemática, sinto um certo constran­gimento em afirmar que "criança pro­blemática é uma criança talentosa", mas vamos às explicações.

Quando era estudante de ensi­no fundamental, pratiquei vários atos condenáveis, típicos de uma criança problemática, e por esta razão com­preendo a psicologia das crianças desse tipo. Foi uma experiência impor­tante que, posteriormente, ajudou-me bastante na minha carreira de educa­dor. Portanto, posso afirmar que na vida não existem experiências inúteis. Todo fracasso e toda infelicidade são lições da vida necessárias para nosso desenvolvimento. Com base em minha experiência, vou elucidar os "problemas" de uma criança problemática.

Eu sentia medo do meu pai por­que ele me castigava severamente, na tentativa de corrigir-me do vício de praticar pequenos roubos. Devido a esse pavor, quando me tornei adul­to, tive dificuldade de relacionamento com meus superiores imediatos, que representavam a figura do pai, e vivia tendo problema com eles.

Outro ato reprovável que eu pra­ticava na infância era levantar a saia das meninas, e sempre das mais boni­tas. Esse meu comportamento serviu­me como um ponto de referência pos­teriormente, quando passei a analisar a questão da sexualidade das crianças. Por essas razões, concluo que nesta vida não existe nenhuma experiência inútil.

Por que as crianças praticam atos reprováveis?

Via de regra, o coração das crian­ças consideradas problemáticas está cheio de tristeza. Criança boa é si­nônimo de criança feliz. Jamais uma  criança praticará más ações quando o seu coração estiver repleto de felicida­de, de alegria de viver.

O que me deixava mais triste, quando criança, era o comentário que minha mãe fazia comparando-me com meu irmão mais novo. Ela, que era uma pessoa alegre, costumava di­zer em tom brincalhão: "Você foi en­contrado no rio. Seu irmãozinho é de­licado, parece um principezinho, mas você parece onigawara". (N. da T.: Onigawara: telha em que está grava­da a máscara de um demônio; termo utilizado para se referir a uma pessoa extremamente feia.)

Havia um pequeno rio a mais ou menos 300 metros de minha casa; fre­quentemente eu ia até lá, ao entarde­cer, postava-me sobre a ponte e cho­rava, pensando: "Então, aqui é o meu lar". Além disso, cheguei a analisar vá­rias e várias vezes o meu rosto diante do espelho.

No meu caso, como me conside­rava diferente do meu irmão, pois pen­sava que realmente fora encontrado no rio e portanto não era filho verdadeiro de meus pais, passei a manifestar vá­rios problemas graves, como enurese noturna e cleptomania, além da mania de levantar a saia das meninas.

No fundo da tristeza encontra-se o santuário da alma

Qualquer que seja o problema, o mal não existe. Por mais que o mal pareça existir, ele não existe. Mesmo que algo pareça mau, na verdade é bom. No momento de uma grande dor descobrimos que no fundo da tristeza existe o "santuário da alma", a grande salvação.

Do ponto de vista da psicanálise ou da psicologia educacional, a educação que recebi dos meus pais não pode ser considerada boa. Mas a profundidade dos desígnios desta vida não pode ser compreendida nem pela pedagogia nem pela psicanálise.

Ao refletir sobre a minha infância, percebo que meus pais me ensinaram o segredo da vida justamente por te­rem-me causado profundas tristezas. Eles fizeram-me passar por experiên­cias necessárias para que eu viesse a me tornar um grande pedagogo. A certa altura de minha infância, passei a pensar seriamente: "Quando crescer, vou salvar as crianças que fazem xixi na cama, descobrindo a causa desse problema".
 
Refleti seriamente também sobre a cleptomania, vício de que eu não con­seguia me livrar por mais que fosse re­preendido e castigado, e por mais que prometesse a mim mesmo abandoná­-lo. Ninguém pode imaginar quão seriamente refleti: "Que vício é este que não consigo abandonar de jeito ne­nhum, mesmo sabendo que é errado, mesmo jurando ao Deus Todo-Pode­roso que nunca mais vou roubar?".

Eu também não entendia por que maltratava a garota por quem era apaixonado e refleti muito a respeito dessa conduta.

Meus pais fizeram-me vivenciar essas experiências necessárias para que eu conhecesse os complexos pro­blemas desta vida e aprendesse a so­lucioná-los.

Naturalmente, eles não planeja­ram tudo isso. Houve a interferência da grande mão da Providência, ou seja, da força de Deus. Deus agiu através de meus pais, escolheu-me para ser um filho problemático e fez­-me passar por diversas experiências, a fim de que, concluindo o aprendizado, eu adquirisse a capacidade de ajudar os outros. Quando conseguimos ana­lisar os fatos de um plano elevado, percebemos que nenhuma experiência desta vida é inútil. Nada acontece por acaso. Nossa alma se eleva através de experiências e adquirimos a capacidade de salvar as pessoas que estão pas­sando pelos mesmos sofrimentos que já vivenciamos.

Originalmente não existe filho problemático

Os pais aprendem muito sobre a vida ao lidar com um filho problemá­tico. É surpreendente o resultado que os pais conseguem ao conhecer a Edu­cação da Vida no momento em que o problema se apresenta tão grave que a solução parece estar além dos limi­tes da força humana. Quando eles se conscientizam de que não adianta se esforçar com a inteligência cerebral, de que os vários métodos para solucionar o problema não trazem nenhum resul­tado, a Educação da Vida surte o seu real efeito. As chaves para a solução dos problemas, de acordo com a Educação da Vida, são as seguintes:

Antes de mais nada, devemos ter uma visão lúcida acerca do ser huma­no, que consiste na seguinte convic­ção: A Imagem Verdadeira do ser hu­mano é de filho de Deus, perfeito. Não existe criança má. Criança má é reflexo da nossa mente. Criança problemática não existe originalmente. Ela é apenas manifes­tação da mente distorcida do educa­dor."

Em outras palavras, não se deve ter a pretensão de melhorar a crian­ça, pois ela é boa desde o princípio. O pensamento "vou fazer com que ela melhore" prejudica a criança, pois baseia-se na ideia de que "ela não é boa". Se a pessoa crer que a criança é boa desde o princípio, não pensará em fazer com que ela "se torne boa".

Os filhos mudam quando os pais mudam.

Desde tempos remotos, é dito que "o filho é espelho da mente dos pais". Toda criança possui natureza divina absolutamente perfeita; portanto, não possui nenhum defeito. É como um es­pelho límpido. Se nosso filho se apre­senta como criança má, é porque nele está refletida a nossa atitude mental errônea.

Por exemplo, vamos supor que o nosso rosto refletido no espelho esteja sujo de tinta. Por mais que esfregue­mos o espelho na tentativa de eliminar a mancha da imagem refletida, ela não ficará limpa. Mas, se lavarmos o rosto, a mancha de tinta desaparece­rá. Do mesmo modo, a criança reflete a mente dos pais; por isso, quando os pais harmonizam a mente e propiciam um ambiente familiar repleto de paz e alegria, a criança se torna boa, reve­lando a sua verdadeira natureza.

Existem pessoas que raciocinam do seguinte modo: "Se os filhos são reflexos dos pais, eu sou reflexo dos meus pais. Então, para que eu melho­re, os meus pais é que precisam me­lhorar". Mas esse tipo de argumento não é válido. Nossos pais também são reflexos de nossa mente. Assim como nossos filhos mudam quando nós mu­damos, nossos pais também mudam quando nós mudamos.

Tudo se origina de nós e a nós retorna. Somos responsáveis por tudo que acontece ao nosso redor. Quando nós mudamos, tudo que está ao nosso redor se transforma.

Neste princípio se alicerça o ver­dadeiro poder da Educação da Vida. Somente quando compreendemos que tudo - tanto a circunstância como o destino - é responsabilidade nossa, libertamo-nos de todas as amarras que vinham nos tolhendo e tornamo­nos seres absolutamente livres, donos do próprio destino. Essa convicção é obtida quando nos conscientizamos de que todos somos realmente filhos de Deus. E isso é fundamental para eliminar o aspecto problemático de uma criança.

Quando conscientizamos que so­mos filhos de Deus, desaparece o eu fenomênico que se esforça na tentativa de melhorar; começa então a brilhar em nós o filho de Deus que é absolu­tamente perfeito desde o princípio.

[Keiyo Kanuma]
Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais!


Encontrou o que procurava? O blog lhe foi útil? Então, curta o Yesachei no Facebook!

1 comentários :

joselito bortolotto disse... [Responder comentário]

Criança problemática é um conceito, entretanto devemos observar a individualidade, e é muito dificil para os pais conseguirem absorver todos estes sinais, assim, sempre que possivel seria interessante a busca de uma ajuda profissional.

Postar um comentário

Atenção!

Faça seu comentário, mas sempre com responsabilidade, caso contrário, ele não será publicado!

Não serão aceitos comentários que denigram pessoas, raças, religião, marcas e empresas.

Sua opinião é importantíssima para o crescimento do blog. Portanto, comente, o blog agradece!

2leep.com